Central Sindical
 
 
UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


 

Federação Sindical Mundial


Centrais sindicais realizam atos em solidariedade ao povo palestino


A Federação Sindical Mundial (FSM) e as Centrais Sindicais filiadas, realizou, neste 4 de abril, Dia da Terra Palestina, atividades em solidariedade ao povo palestino e sua luta contra as ocupações israelenses em seus territórios.  A participação do embaixador da Palestina do Brasil, Ibrahin Alzeben, que fez um resgate histórico da resistência do povo e agradeceu o apoio internacional. Ele destacou o que ocorre na região “não é guerra é genocídio”, com poder bélico de Israel. 

Presentes:  Centrais sindicais, Carlos Borges da UST, CTB, Raimunda Gomes (Doquinha); Ricardo Saraiva (Big) da Intersindical e. Palestina e Israel (PAEPI), Fernanda Balbino.  No fim do encontro, foi entregue ao embaixador um documento político do ato, assinado pelas entidades participantes. Como forma de agradecimento à iniciativa, Ibrahin Alzeben presenteou o FSM com o Hata, lenço palestino que simboliza a luta palestina.


 

Federação Sindical Mundial

 Convoca ações de solidariedade ao povo palestino

30 de Março de 2017:

Dia de Solidariedade com o Povo Palestino
 

A Federação Sindical Mundial (FSM) organiza um Dia de Solidariedade com o Povo Palestino em 30 de março de 2017 e apela aos seus sindicatos afiliados e amigos em todo o mundo para estarem na dianteira, desenvolvendo ações específicas.

Na ocasião do Dia de Solidariedade ao Povo Palestino da FSM, em 30 de março, todos os trabalhadores e pessoas comuns da classe trabalhadora de todo o mundo são instados a dar expressão real à sua solidariedade com o povo da Palestina contra a agressividade e ocupação israelense, ainda mais intensificada após a eleição do Governo Trump nos EUA, como é evidente no anúncio da construção de três mil casas para colonos judeus na Cisjordânia, assim como na recente lei do Knesset (Parlamento) israelense, legalizando a tomada de propriedade palestina na mesma região.

O da Palestina tem sofrido por muitos anos a agressividade israelense, as colônias, o saque dos seus recursos naturais e produção da sua terra e o bloqueio. Crianças palestinas são mortas nas ruas. Trabalhadores são encarcerados todos os dias. Hoje, mais de 300 crianças palestinas estão detidas em prisões israelenses!

A luta pelo fim da agressividade e das colônias, pelo reconhecimento de um Estado palestino livre e independente nas fronteiras de 1967, com Jerusalém Leste como sua capital, depende primordialmente da luta dos povos, da luta da classe organizada e do movimento da classe trabalhadora, já que os trabalhadores participando dela estão completamente cientes da causa gerando intervenções imperialistas e atrocidades contra os povos, que é nada mais do que o apetite insaciável dos capitalistas por lucro contínuo através da exploração dos trabalhadores.

Por isso, são os trabalhadores os que podem resistir que podem exigir e se levantar pelo fim da destruição do povo e da terra palestina, através das atividades e iniciativas de seus sindicatos. Os trabalhadores têm o poder de impor, através de suas lutas, suas justas demandas, às custas dos poucos em benefício dos muitos. A FSM esteve, está e estará ao lado do povo da Palestina.

Em 30 de março, participaremos dinamicamente das manifestações dos sindicatos afiliados à FSM e dos amigos em todos os cantos do mundo, em solidariedade ao povo da Palestina. Em cada cidade, país e setor, organizemos protestos diante de Embaixadas e governos que apoiem a política de Israel, de organizações internacionais que finjam sentir pesar pelos crimes contra nossos irmãos e irmãs palestinos.

FIM ÀS COLÔNIAS – RECONHECIMENTO DO ESTADO INDEPENDENTE DA PALESTINA!

 
 
 


A Central UST/Brasil repudia o brutal bombardeio do governo sionista de Israel contra povo palestino na Faixa de Gaza.

A Central Sindical dos Trabalhadores – UST, central sindical dos trabalhadores brasileiros que luta contra a exploração patronal, contra o imperialismo e que sempre se posicionou pela solidariedade internacional da luta dos trabalhadores, repudia o brutal ataque com mísseis do governo sionista de Israel contra as cidades da Faixa de Gaza.  Esses bombardeios já vitimaram mais de 70 palestinos entre mulheres, homens, idosos e crianças. Também já deixou mais de 500 feridos e centenas de desabrigados devido às potentes destruições provocadas pelas bombas sionistas.

É necessária a solidariedade e a unidade de todos os trabalhadores do mundo para frear esse abominável ataque à vida humana e a autodeterminação dos povos, uma vez que o Estado de Israel foi algo criado dentro da nação palestina. Os sionistas israelenses vêm promovendo uma intensa campanha de limpeza étnica, o mesmo promovido por Hitler e suas hordas nazistas contra o povo judeu, com o apoio descarado dos Estados Unidos, seu principal aliado na região e que tem o objetivo de dominar todo o oriente médio.  A luta dos trabalhadores é internacional! Por isso é necessário uma mobilização mundial contra o genocídio do povo palestino que lutam pelo direito de viverem em paz.  Devemos promover um grande boicote a Israel e exigir que todos os responsáveis sejam julgados e condenados por crime de lesa humanidade no Tribunal Internacional.    julho 2014


Carta do Leaderhip da União Geral da Palestina Trabalhadores (GUPW) para a liderança FSM e do sindicato organizações em todo o mundo

O camarada George Mavrikos,
Amigos da Federação Mundial de Sindicatos FSM

O iníciando gostaríamos de estender nossos agradecimentos grandes a você por sua solidariedade com o povo palestino, os grande general e nossos prisioneiros palestinos de heróis que estão lutando uma guerra contra a ocupação israelense.
Nós, na União Geral dos Trabalhadores da Palestina e agradecer você muito expressar nossos sinceros sentimentos a você e nós lutar contra todas as formas de imperialismo e vamos ficar contra a ocupação israelense e todas as ocupações, o criminoso mundo. Vamos ficar como estamos lutando para a libertação de todos prisioneiros no mundo livre e declaramos nossa solidariedade com todos os trabalhadores oprimidos do mundo e detidos de Cuba para a Costa Rica para Nejaregwa para várias partes do mundo.
Viva a Federação Mundial de Sindicatos
Viva a União Geral dos Trabalhadores Palestina
Viva a luta dos nossos trabalhadores na Palestina e no o mundo
Haidar Ibrahim
Secretário-Geral
Mohammed Yahya
Secretário-Geral Adjunto








A Federação Mundial de Sindicatos fiel ao seu dever de solidariedade com o Povo palestino organizado no Abril 17, 2012, Dia da Palestina Presos Políticos e Acção Internacional Dia pedindo a libertação imediata de todos presos políticos detidos em prisões israelenses.
Dentro deste quadro geral Secretário de FSM dirigiu uma carta ao Secretário-Geral das Nações Unidas, Sr. Ban Ki-Moon e as Nações Unidas Comissário para os Direitos Humanos, o Sr. Navanethem Pillay.
Para: Secretário-Geral das Nações Unidas,
Sr. Ban Ki-Moon
Assunto: Campanha Internacional para a PALESTINA
Para a libertação imediata de todos os presos políticos detidos em Prisões israelenses
A Federação Mundial de Sindicatos representando a sua 82 milhão de membros em 120 países dos cinco continentes, declara Hoje em prisões israelenses há 4.600 palestinos presos militantes. Destes:
560 foram condenados à prisão perpétua por Israel tribunais.
220 são crianças.
24 são membros do Parlamento.
204 prisioneiros morreram nas prisões israelenses.
Entre os presos há grande palestinos e árabes militantes que dedicaram suas vidas à luta do Povo Palestino para obter a sua própria pátria independente.
O FSM desde o primeiro dia de sua criação é firmemente do lado do povo palestino. Em 17 de abril é o Dia Internacional de Ação para o povo palestino para libertação de todos os presos nas prisões israelenses. Todos esses militantes mantidos de forma ilegal e antidemocrática pelos imperialistas e seus órgãos.  Há anos as Organizações Internacionais são limitadas a palavras. Eles mostram indiferença. Eles permitem que o governo de Israel para matar, prender, e aterrorizar o povo da região.   O FSM em reunião conjunta com a União Geral de Trabalhadores palestinos detidos recentemente em Ramallah decidiu chamar todos os nossos filiados e amigos para agir em 17 de abril. Para enviar declarações para as embaixadas de Israel em seus países, bem como organizações internacionais e exigir o imediato libertação de todos os militantes de prisões israelenses.
Em 17 de abril o FSM está pedindo:
- A libertação imediata de todos os presos políticos mantidos injustamente em prisões israelenses.
- Para parar a atividade de assentamentos eo desmantelamento do assentamentos.
- O levantamento imediato do bloqueio injusto e desumano da Faixa de Gaza, a retirada do exército israelita de todos territórios ocupados, que existe desde 1967, incluindo o Golan Altura e área Shebaa do sul do Líbano.
- A demolição do muro racista.
- A criação de um Estado independente, democrático e verdadeiramente livre Estado palestino com Jerusalém como sua capital eo retorna de todos os refugiados palestinos à sua terra natal.
- A comunidade internacional a assumir as suas responsabilidades e implementar todas as decisões das Nações Unidas e os Conselho de Segurança!

FEDERAÇÃO MUNDIAL SINDICAL
A UST vem manifestar o apoio à luta do povo palestino contra a opressão que sofre por parte do Estado de Israel e na defesa da emancipação e contra o genocídio.
Por Liberacão IMEDIATA de Todos los presos Políticos em cárceres israelenses
560 Condenados a Perpetua pelos Tribunais israelenses.
220 filhos dos condenados.
24 filhos dos deputados.
204 presos mortos em carceres israelense.

Somos slidarios ao povo palestino e repudiamos a opressão israelence,

LIBERDADE JÁ !!!

 

FEDERAÇÃO MUNDIAL SINDICAL 
 
Ramallah, Palestina:
Conferência Internacional da Solidariedade à Palestina FSM
 
A Federação Mundial de Sindicatos organizou a 22 de março de 2012 uma grande conferência internacional, em Ramallah, na Palestina, em solidariedade com a luta do povo palestino contra a agressão dos EUA suportado por Israel. A classe FSM e os sindicatos exigem o reconhecimento imediato de um Estado palestino nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital.
 
ust@ust.org.br
 
.                                .