';
          Central Sindical
 
 
UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES

                       


ust@ust.org.br 

  

  
 


 
 
 
 

 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES - UST

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

 

A União Sindical dos Trabalhadores - UST, inscrita no CNPJ: 08.746.665/0001-50, neste ato representado pelo seu Diretor Presidente Luiz Carlos Borges, e no uso de suas atribuições legais convoca todos filiados e em dia com suas obrigações com a entidade para o Congresso Ordinário Eleitoral, a realizar­­­-­se no próximo dia 26 DE MAIO DE 2018, ás 9:00 hrs em primeira convocação  ou as 10:00 hrs em segunda convocação com qualquer número de participantes, sito  Viaduto Jacareí, 100 – São Paulo-SP  anexo a Câmara Municipal de São Paulo-SP, para deliberar a seguinte ordem do dia: (a) Eleição e posse da Diretoria Executiva Nacional e Conselho Fiscal e (b) Outros Assuntos). Obs: Em conformidade com o art. 58º do Estatuto Social, fica aberto o prazo para apresentação de chapa com prazo final em 21 de maio de 2018.

 

São Paulo, 10 de maio de 2018.

 

 

Luiz Carlos Borges

Presidente Nacional

RG 5 985 158 

    Congresso Nacional

  

Carlos Borges, Presidente Nacional da Central Sindical UST, é uma organização sindical brasileira independente, que se propõe a construir uma alternativa de luta, convoca os sindicatos filiados, as lideranças sindicais, as Trabalhadoras e trabalhadores, movimentos sociais dos simpatizantes da UST, 

Congresso Nacional que acontecerá em meados de junho deste ano, e buscará em conjunto com os trabalhadores debater a conjuntura politica, econômica e social, além de temas essenciais para a realidade dos trabalhadores e o desenvolvimento do País.

 

26 de maio 2018 - 9 horas

Câmara Municipal de São Paulo

Viaduto Jacarei, 100 – São Paulo

 

 

Reunião sela unidade 

de lutar para ampliar conquista 

dos Trabalhadores

Aconteceu reunião em Brasília, entre Marcos Calzolari, Sindicalista Aeroviário – Rio de Janeiro e o Presidente da Central Sindical UST, Carlos Borges, cujo objetivo é debater desenvolvimento urbano mais justo, criando uma frente independente com intuito de dar organização, politização popular. 

 

É consenso combater a pratica de política antissocial tirando dos trabalhadores, dos estudantes e dos aposentados e pensionistas, seus direitos. É uma política que tem por desmantelar tudo o que se conquistou com muita luta durante os últimos anos.

 

Ninguém de sã consciência é a favor da corrupção nem dos corruptores, não podemos fugir do debate sobre o que fazer nas eleições de 2018, o debate eleitoral não adianta fingirmos que ele não existe e repetir um mantra “vamos lutar contra as reformas”, vamos resistir na prática e não facilitar a vida daqueles que têm como estratégia a conciliação de classes. Vamos agendar reunião para profundar o debate que continua no Rio de Janeiro. 


Abrir debates que terão como temas as conjunturas política e a econômica regional e mundial, também realizar um balanço da atuação da UIS, para que possamos apresentar propostas de contribuições globais indicando os rumos para a luta contra a injustiça, a desigualdade, a opressão e a exploração determinam a impossibilidade de uma vida digna para a maioria da população mundial.


A luta organizada ainda é a melhor arma da classe trabalhadora.

    
 
Diretora das Mulheres organizar as

trabalhadoras contra a retirada de direitos

 

Central Sindical UST é instrumento da luta das mulheres e de todos os setores oprimidos da classe trabalhadora pela sua libertação do jugo de toda a exploração e de toda a opressão contra as mulheres.

Diretora das Mulheres da UST, Andréia Umbelina de Souza, Pedagoga e atuou como diretora sindical por 2 mandatos no Sinttel-MG, Sindicato de Telecomunicações de Minas Gerais.  Para Andréia Umbelina de Souza, defende e fortalece a UST, que ao longo de sua existência sempre teve participação de movimentos de combate a opressão e enfrentamento da violência contra mulher tão alarmantes. As mulheres representam 50% da mão de obra no nosso país e linha de frente em todas as lutas, estamos bem representando na direção UST o real peso do movimento de mulheres trabalhadora.

As mulheres trabalhadoras ainda recebem 24% a menos que os homens pelos mesmos trabalhos e a mulher com filhos recebe menos ainda. Porém, se levarmos em conta que as mulheres estão nos trabalhos menos remunerados, esta desigualdade é muito maior. As mulheres são 83% dos trabalhadores domésticos, que estão entre os menos remunerados.

 Está faltando vagas nas creches, médicos e remédios nos hospitais, para dizer sobre alguns serviços básicos que atingem em cheio a vida das mulheres trabalhadoras. O desemprego crescente também ameaça a vida das mulheres, que são as primeiras a serem demitidas pelas empresas.

 



Dia Mundial da Água

22 de março de 2018

 A FSM, em nome de seus 92 milhões de trabalhadores nos 5 continentes, por ocasião do Dia Mundial da Água, em 22 de março, expressa sua solidariedade às centenas de milhões de pessoas que sofrem com a distribuição desigual de recursos naturais, a falta de água limpa. e instalações de saneamento. O movimento sindical de classe luta pelo direito de acesso livre a água potável e segura, garantindo sua quantidade e qualidade para todas as pessoas.

Essas atividades estão em completo contraste com a comercialização e a vinculação dos recursos hídricos com a economia de mercado. A água não é um produto comercializável, não deve estar dentro do significado de comida e deve ser fornecida adequadamente, sob a responsabilidade direta de cada governo, igualmente a todos os cidadãos do domínio, como um bem público, não sendo passível de “leis”. de mercado ”e regido pelas regras da engenharia de saúde.

A Federação Mundial dos Sindicatos reafirma sua firme posição, exigindo:

• Recolhidos, processados ​​e distribuídos a baixo custo ou mesmo gratuitamente ao consumidor, sob a responsabilidade central de um transportador público unificado, sem o envolvimento de empresas privadas e de acordo com todas as regras de engenharia de saúde, que exigem:

Construção e funcionamento das modernas unidades de processamento de água, monitoramento regular da vazão processada, um sistema confiável para a destruição de microrganismos e parasitas, uma rede de distribuição completa e segura para os usuários e seu local de residência.

• As disposições legais de segurança, cuja existência é um pré-requisito básico para alcançar os padrões de qualidade da água, devem ser mantidas sob constante observação.

• O monitoramento da qualidade da água e o cumprimento de todas as condições relativas devem ser realizados pelas autoridades públicas.

• As autoridades públicas devem realizar, direta e efetivamente, todas as ações corretivas necessárias em casos de divergência de água dos limites de segurança estabelecidos pela legislação pertinente de cada estado.

A questão da água é uma prioridade da FSM e nos últimos anos organizou dezenas de iniciativas e atua na direção militante acima mencionada, como seminários, jornadas internacionais, conferências, etc. A FSM continuará e fortalecerá ainda mais suas lutas na gestão sustentável dos direitos humanos. recursos hídricos do nosso planeta em favor de todas as pessoas.


 Governo perdeu a batalha da Reforma da Previdência

 O Governo Temer fez de tudo para reformar a Previdência e acabar com a aposentadoria publica dos trabalhadores, para implantar a Previdência Privada. Gastou bilhões de reais do dinheiro público, para comprar o voto dos deputados e em propagandas mentirosas nos meios de comunicação. Com propaganda ostensiva na grande mídia, não conseguiu enganar os trabalhadores e a maioria da população que tem se manifestado contra a mudança na Previdência. A retirada da votação da reforma do Congresso é uma vitória da luta e resistência dos trabalhadores e da população. Os trabalhadores deram várias demonstrações da disposição de luta para barrar essa reforma previdenciária. A reforma da previdência tem o objetivo claro de impedir a aposentadoria do trabalhador brasileiro. Os trabalhadores porque sabem o desgaste de ficarem sem aposentadoria e terão que trabalhar muito mais para receber muito menos na aposentadoria.

 Esse governo esta a serviço dos interesses dos banqueiros que visam estabelecer a previdência privada, dos grandes empresários e do agronegócio e sua meta é jogar a crise sobre as costas dos trabalhadores. O movimento sindical dos trabalhadores não podem baixar a guarda e devemos nos manter mobilizada a população para enfrentar todos os ataques deste governo em conjunto com o Congresso de deputados corruptos.

Se colocar pra votar, o Brasil vai parar!

   UST e Sindicalistas da China

podem firmar parceria

em programas de formação

 Reuniram nesta segunda-feira (06), com o objetivo estratégicos de intercâmbio com a Delegação Chinesas, Federação Municipal Sindical de Hangzhou. O encontro aconteceu no Rio de Janeiro. Participaram da reunião o Presidente da UST, Carlos Borges, a Presidente da CBAPI -Central Brasileira dos Aposentados, Vanilda Martins e Cristina Luz , Advogada da UST Rio de Janeiro. 

De acordo com Carlos Borges, a reunião definiu uma agenda para discutir as relações de trabalho que poderão firmar convênios para programas de formação sindical e profissional, principalmente no setor dos Funcionários Públicos. A proposta começou a ser discutida entre dirigentes da UST e a Delegação da Federação Sindical Chinesa.

A delegação da UST fez conversar sobre o intercambio na formação sindical. A proposta é de um seminário, que aborda as conjunturas econômicas e políticas dos dois países, as relações entre sindicatos e governo, as relações de trabalho, entre outros temas.  O programa de intercâmbio seguirá com programação de encontros com sindicalistas chineses e brasileiros para aprofundar a relação em favor dos Trabalhadores dos dois países.

       
 

 Entenda a reforma trabalhista aprovada

 Senado aprovou a reforma trabalhista. Dois dias depois, Temer sancionou o projeto que mexe em mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), retirando direitos históricos.

A principal mudança é o que estabelece o princípio do “negociado sobre o legislado”, ou seja, acordos coletivos entre trabalhadores e patrões podem sobrepor à CLT.

A classe trabalhadora brasileira poderá perder direitos trabalhistas conquistados a duras penas em décadas de lutas. A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) sofrerá significativos ataques com a Reforma Trabalhista proposta pelo governo Temer.

 

Federação Sindical Mundial 


Centrais sindicais realizam atos em solidariedade ao povo palestino


A Federação Sindical Mundial (FSM) e as Centrais Sindicais filiadas, realizou, neste 4 de abril, Dia da Terra Palestina, atividades em solidariedade ao povo palestino e sua luta contra as ocupações israelenses em seus territórios.  A participação do embaixador da Palestina do Brasil, Ibrahin Alzeben, que fez um resgate histórico da resistência do povo e agradeceu o apoio internacional. Ele destacou o que ocorre na região “não é guerra é genocídio”, com poder bélico de Israel. 


Presentes:  Centrais sindicais, Carlos Borges da UST, CTB, Raimunda Gomes (Doquinha); Ricardo Saraiva (Big) da Intersindical e. Palestina e Israel (PAEPI), Fernanda Balbino.  No fim do encontro, foi entregue ao embaixador um documento político do ato, assinado pelas entidades participantes. Como forma de agradecimento à iniciativa, Ibrahin Alzeben presenteou o FSM com o Hata, lenço palestino que simboliza a luta palestina.

 


Av. Mateo Bei 1895 - 1° andar – CEP 03949-011 – São Paulo - SP


ust@ust.org.br       11 97737 4820


.                                .